Stetic Cris

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009



Eu não comemoro o Natal


Minha irmã e eu ficávamos ansiosas por esse dia todos os anos. Nós comprávamos um vestido novo para participarmos do Natal tanto na igreja quanto no jantar em família na casa da vovó. Eu decorava a nossa própria árvore de Natal, que era a minha tarefa anual, e escolhia todas as decorações à volta dela. Nós ganhávamos uma porção de presentes de amigos e familiares. A melhor parte era a ansiedade em trocar presentes, quem pegou o meu nome esse ano? Minha mãe fazia questão de dar nossos brinquedos aos pobres na igreja toda reunião de Natal, nós nos sentíamos tão orgulhosas de ter aprendido isso.

Então veio a bomba: "O Natal não é Natal coisa alguma".

Eu fiquei chocada. Não haveria mais árvores de Natal e decorações para a casa. não haveria mais festas de Natal. Não haveria mais presentes... Foi muito difícil no princípio. Ainda hoje, eu olho para as casas na minha visinhança e os meus olhos brilham com as suas decorações. Mas isso é vaidade, e o pior é que não é de Deus de forma alguma. As decorações nas árvores se iniciaram com pagãos que adoravam a outros deuses. Alguém poderia me dizer como esse costume pagão imergiu no Cristianismo?

Foi aí que me dei conta de quantas pessoas que não tinham uma família como eu costumavam entrar em depressão profunda durante estes dias festivos. Pessoas que se matariam em época de Natal. Pessoas que ficariam tão bêbadas, que morreriam em acidentes de carro, matando a outras nesse processo. Pessoas que ficariam em dívida devido ao dinheiro esperado que elas gastem em viagens de Natal e presentes. Era isto o que Deus tinha em mente quando o Senhor Jesus nasceu? Será que Ele sequer nos deu a Sua data de nascimento para celebrarmos?

Quanto mais eu penso a respeito, mais ridículo o Natal se torna. É a melhor época para os negócios. É a melhor época para as companhias de cartões de crédito. NÃO é a melhor época para Deus, O qual apenas vê as pessoas usando o nascimento do Seu Filho para fazerem dinheiro e promoverem toda sorte de coisas ruins, entre elas, se embriagar.

O que vem de Deus é saber o que o nascimento do nosso Senhor significa para nós. De Deus é fazer com que isto tenha importância não apenas em nossas vidas, mas também nas vidas daqueles que não sabem. De Deus é ter tempo de qualidade em família o ano inteiro. De Deus é dar sem esperar receber. De Deus é ser santo, é entender que não somos como os demais, por que agir como os demais?


Testo extraído do Blog de Cristiane Cardoso escritora do livro "Melhor do que comprar sapatos".